quinta-feira, 20 de julho de 2017

- MENSAGEM ESPECIAL. - DIVULGAÇÃO. BATUIRA. (CHICO XAVIER.)

                          DIVULGAÇÃO.

            A tarefa na divulgação da Doutrina Espírita, explicando os ensinamentos de Nosso Senhor Jesus cristo, deve merecer o nosso maior entendimento e o nosso melhor carinho. É verdade que o pão material remove a fome agressiva do corpo, no entanto, que agente suprirá a fome da alma, acalentada, muitas vezes, na sombra da inércia ou no fogo da prova, senão o esclarecimento espírita suscetível de a serenar as forças desgovernadas o do coração?
            Vemos naturalmente sensibilizados, as multidões dos necessitados de recursos físicos agitando-se, em toda a parte, a requisitarem medidas que o trabalho e a assistência podem promover com a segurança do comando administrativo orientado com o necessário equilíbrio no senso das responsabilidades triviais que conduzem a vida. Contudo, amargam-nos o sentimento contemplar aquelas outras fileiras de necessitados da alma reunindo, muitas vezes, os que se verticalizam no traje distinto e na higidez orgânica impecável, mas que se estiram por dentro nas trevas da revolta e do desespero, da tristeza e da negação, absolutamente desprevenidos de qualquer imunização contra a criminalidade e a bancarrota do espírito nos domínios da saúde moral.
            Divulguemos, sim, a instituição e o consolo, a paz e o aviso da doutrina Espírita em favor dos que jazem fronteiriços à delinquência e à loucura, à enfermidade e à morte, sem razão de ser. Em muitas circunstâncias a criatura não espera se não uma frase, um apontamento, uma elucidação ou uma bênção verbal de maneira a forrar-se contra a queda em princípios fatais. Trabalhemos pela distribuição organizada e metódica do conhecimento espírita-cristão com o mesmo devotamento com que se procura estabelecer um serviço de água e luz. Água viva das verdades eternas que refrigere o coração humano e lhe restaure as energias, luz da vida imperecível que arrebate a criatura humana do círculo de trevas em que tanta vez se compraz por ignorância ou desorientação.
            Recordemos as palavras do Cristo de Deus: “Brilhe a vossa luz diante dos homens para que os homens conheçam as vossas boas obras, glorificando o Pai que está nos Céus.".
            Capacitemo-nos de que ninguém consegue realizar algo de bom sem oferecer algo de si para que se faça o melhor ao nosso alcance e trabalhemos com Jesus constantemente.

Fonte: Livro “MAIS LUZ” - ANTONIO GONÇALVES DA SILVA - BATUÍRA, psicografado por Francisco Cândido Xavier - 4 a. Edição - Editora GEEM - São Bernardo do Campo, SP - 1976.

                        RHEDAM. (mzgcar@gmail.com)

- CONHECENDO OS ANIMAIS A LUZ DO ESPIRITISMO. - A ALMA IMORTAL DOS ANIMAIS; - EXISTEM ANIMAIS NO MUNDO ESPIRITUAL?- REVISTA UNIVERSO ESPÍRITA.



             OS ANIMAIS A LUZ DO ESPIRITISMO.

                A ALMA IMORTAL DOS ANIMAIS;
   
  EXISTEM ANIMAIS NO MUNDO ESPIRITUAL?

            Em 1864, um casal francês perdeu cedo seu filho mais velho. Restava em casa uma jovem menina e uma linda cadela galga, que havia sido do rapaz. A pequena Mika, muito bem educada, tinha o hábito de dormir aos pés de seu dono. No inverno, quando o frio era intenso, costuma grunhir. Era sinal que pedia autorização para deitar-se em meio as cobertas, ao lado de seu senhor. Um hábito agradável para  velho espírita Frances.
            Em setembro daquele ano, a cadelinha adormeceu e morreu. Nada Pôde fazer o médico veterinário. Toda família lamentou muito. A inteligência, afeição e suavidade do animal fizeram com que todos sentissem como a perda de um filho. Volta e meia o assunto e a saudade voltavam.
            Alguns meses depois aconteceu o inesperado:
            - Ultimamente – contou o senhor – pelo meio da noite, estando deitado mas sem dormir, ouvia partir dos pés de meu leito aquele pequeno grunhido da pequena cadela. Estendi o braço para chamá-la, mas em vão.
            De manha, comentou com a esposa, que do mesmo modo ouviu, não uma, mas duas vezes. Sua filha pequena escutou também.
            - Confesso que sou meio surdo e não escuto os sons da rua, nem mesmo os trovões! Mas um som dentro do quarto é inequívoco.
            Essa história foi relatada por Allan Kardec na Revista Espírita de 1865. Nesse mesmo artigo, um Espírito afirma ao codificador que eles “não se enganaram ouvindo um grito alegre do animal reconhecido pelos cuidados de seu dono, vindo, antes de passar ao estado intermediário de um desenvolvimento a outro, lhe trazer uma lembrança”. E explicou ainda: “A manifestação pode dar-se, mas é passageira, porque o animal, para subir um degrau, necessita de um trabalho latente”, que faz no mundo espiritual.
            Sobre o assunto, Alan Kardec citou outros casos análogos e conclui afirmando: “Não é pelos sistemas que se poderá resolver esta grave questão: é pelos fatos. Se deve sê-lo um dia, o Espiritismo, criando a psicologia experimental, é o único que lhe poderá fornecer os meios”.
            Depois da morte, o animal pode permanecer com seu corpo espiritual no mundo dos espíritos. Mas esses casos são exceções. A maioria é logo reaproveitada em novos renascimentos e, enquanto aguardam, permanecem como crisálidas no plano espiritual. Os Espíritos, no entanto, sempre relataram a presença de animais na espiritualidade para tarefas específicas. Uma delas é a condução de trabalhadores em ambientes mais denso, onde são utilizadas mulas e cavalos. Outra possibilidade é a presença de cachorros, gatos e pássaros de estimação para auxiliar na recuperação de espíritos recém-desencarnados. Todavia, são sempre animais sociais. Não haveria razão de ser para a presença de bichos ferozes ou simplesmente vagando sem cuidado no mudo espiritual.

            Fonte: Revista “UNIVERSO ESPÍRITA” – No. 23. – Editora Universo Espírita. – São Paulo, SP.

                                   RHEDAM. (mzgcar@gmail.com)

- VULTOS DO ESPIRITISMO. EUGÊNE OSTY. - GRANDES GIGANTES DA DOUTRINA ESPÍRITA. - INTERNET.




Eugêne Osty
1874 - 1938

Foi médico neurologista de fama internacional.
Vice-Presidente Honorário da Nacional Harry Laboratório de Pesquisas Psíquicas e Fundador e Diretor do IMI (Instituto de Metapsíquica Internacional) entre os anos de 1924-1938, sendo que atualmente ainda existente este Instituto em Paris. E foi o mais destacado pesquisador Psíquico da França de sua época.
Eugène Osty começou o seu interesse pela paranormalidade em 1909 quando uma cartomante lhe deu uma leitura incrivelmente precisa. No ano seguinte ele começou a sua investigação sobre o que ele chamou “Metapsiquica” e resumiu as suas pesquisas em 1913 na sua obra Lucidité et Intuition (Lucidez e Intuição). Em seu retorno da guerra, Gustave Geley convidou a participar do Comitê Gestor do IMI aonde colaborou ativamente com outros pesquisadores espíritas, incluindo o ilustre fisiologista Charles Richet e o astrônomo Camille Flammarion.
Com a morte de Gustave Geley que era seu amigo, Charles Richet lhe pediu para suceder como Diretor do IMI. Osty assim permanecerá até sua morte em 1938. Eugène Osty abandonou a sua carreira como médico, para se dedicar inteiramente ao IMI e ao estudo da psicologia aonde ele organiza e supervisiona as experiências, especialmente com Jean Guzik, em seguida, com o médium austríaco Rudi Schneider. Além disso, ele estabeleceu durante os anos de sessões espíritas com o médium Pascal Joan Fortuny Laplace.
Em seus trabalhos de pesquisas no campo experimental da fenomenologia espírita, ele declarou, em sua obra "La Connaissance Supranormale", o seguinte:
"Impõe-se a evidência de que estamos diante de um foco dínamo-psíquico, donde emanam manifestações de ilimitado poder. Além do consciente, encontra-se a propriedade de transformar a matéria viva, de torná-la amorfa, de exteriorizá-la e de fazer dela novas formas vivas. Além do consciente, encontra-se a propriedade de perceber o imperceptível, de conhecer o ignorado.
Desconhecem-se, ainda, limitadamente, no fundo do ser humano, os atributos de que os filósofos ornaram o conceito divino - potência criadora, fora do tempo e do espaço. E ninguém está autorizado a presumir o que a investigação precisa, metódica, progressiva, poderá ainda descobrir."
Como se vê, o Dr. Osty foi um dos que mais se preocuparam com a pesquisa dos fenômenos espíritas abordando-os sob o aspecto puramente científico.
Publicações de Eugène Osty: Lucidité et Intuition (1913), Le Sens de la Vie humaine (1919), La Connaissance supranormale (1925), Les Pouvoirs Inconnus de l’Esprit sur la Matière (1932).


Fonte:  OS GRANDES GIGANTES DA DOUTRINA ESPÍRITA. – INTERNET.

                   RHEDAM. (mzgcar@gmail.com

- NOTAS ESPIRITUAIS. - MENSAGEM DE JOANNA DE ÂNGELIS. - JUSTIÇA EM NÓS MESMO XIII. - JOANNA DE ÂNGELIS. (DIVALDO P. FRANCO.)


MENSAGEM DE JOANNA DE ÂNGELIS. (DIVALDO P. FRANCO.)

               JUSTIÇA EM NÓS MESMO XIII.

  Renasceram prisioneiros de si mesmos, depois das aflições punitivas vividas antes do berço...

                                          Joanna de Ângelis. – Divaldo Pereira Franco.

Fonte: Dimensões da Verdade - Joanna de Ângelis - D. P. Franco, - 2º. Edição - Livraria Espírita Alvorada Editora - Salvador BA - 1977.

                                   RHEDAM. (mzgcar@gmail.com)

- POEMAS ESPÍRITAS. - PARNASO DE ALÉM TÚMULO. - “GLORIA VICTIS” - CRUZ E SOUZA. (CHICO XAVIER.)

                     GLORIA VICTIS”
 
Glória a todas as almas obscuras
Que caíram exânimes na estrada,
Onde a pobre esperança abandonada
Morre chorando sob as desventuras.

Glória à pobre criatura desprezada,
Glória aos milhões de todas as criaturas,
Sob a noite das grandes amarguras,
Sem conhecer a luz de uma alvorada.

Glória Victis! Hosana aos desgraçados
Que tombaram sem vida, aniquilados,
Nos sofrimentos purificadores;

Que o Céu é a pátria eterna dos vencidos,
Onde aportam ditosos, redimidos,
Como heróis dos deveres e das dores!

Cruz e Souza

CATARINENSE. Funcionário público, encarnou em 1861 e desprendeu-se em 1898, no Estado de Minas. Poeta de emotividade delicada, soube, mercê de um simbolismo inconfundível, marcar sua individualidade literária. Sua vida foi toda dores.

            Fonte: PARNASO DE ALÉM - TÚMULO - AUTORES DIVERSOS. - Chico Xavier- Editora FEB. Rio de Janeiro RJ - 1935.

                                   RHEDAM. (mzgcar@gmail.com)

- ESQUEMA DE DIVULGAÇÃO DO BLOG: - A ARTE DE VIVER COM... - SÁBADO.



                        A ARTE DE VIVER COM...

                   TODOS OS DIAS UMA NOVA MENSAGEM.

                        ESQUEMA DE DIVULGAÇÃO DO BLOG.

                                        SÁBADO.

1o. - MENSAGEM PARA O DIA.

2o. - POEMAS ESPÍRITAS - PARNASO DE ALÉM TÚMULO.

3o. - NOTAS ESPIRITUAIS - AUTORES DIVERSOS.

4o. - VULTOS DO ESPIRITISMO.

5o. - CONHECENDO OS ANIMAIS A LUZ DO ESPIRITISMO.

RHEDAM.

                                               RHEDAM.(mzgcar@gmail.com)

- MENSAGEM PARA O DIA 22 DE JULHO



      Mensagens do Mês de Julho Dia: 22

"A nossa felicidade será naturalmente proporcional em relação à felicidade que fizermos para os outro".

ANDRÉ LUIZ
                                                                      
                                       FÉ.

            “Mas os cuidados deste mundo, os enganos das riquezas e as ambições doutras coisas, entrando, sufocam a palavra, que fica infrutífera“. - Jesus. (Marcos, 4:19.)

            A árvore da fé viva não cresce no coração, miraculosamente.
            Qual acontece na vida comum, o Criador dá tudo, mas não prescinde do esforço da criatura.
            Qualquer planta útil reclama especial atenção no desenvolvimento.
            Indispensável cogitar-se do trabalho de proteção, auxílio e defesa. Estacadas, adubos, vigilância, todos os fatores de preservação devem ser postos em movimento, a fim de que o vegetal precioso atinja os fins a que se destina.
            A conquista da crença edificante não é só serviço de menor esforço.
            A maioria das pessoas admite que a fé constitua milagrosa auréola doada a alguns espíritos privilegiados pelo favor divino.
            Isso, contudo, é um equívoco de lamentáveis consequências.
            A sublime virtude é construção do mundo interior, em cujo desdobramento cada aprendiz funciona como orientador, engenheiro e operário de si mesmo.
            Não se faz possível à realização, quando excessivas ansiedades terrestres, de parceria com enganos e ambições inferiores, torturam o campo íntimo, à maneira de vermes e malfeitores, atacando a obra.
            A lição do evangelho é semente viva.
            O coração humano é receptivo, tanto quanto a terra.
            É imprescindível tratar a planta divina com desvelada ternura e instinto enérgico de defesa.
            Há muitos perigos sutis contra ela, quais sejam os tóxicos dos maus livros, as opiniões ociosas, as discussões excitantes, o hábito de analisar os outros antes do autoexame.
            Ninguém pode, pois, em sã consciência, transferir, de modo integral, a vibração da fé ao espírito alheio, porque, realmente, isso é tarefa que compete a cada um.

                                                                       Emmanuel. (Chico Xavier).

Fonte: Livro “VINHA DE LUZ” - EMMANUEL - Psicografado Por FRANSCICO C. XAVIER - 10º. Edição - Editora FEB - Rio de Janeiro - 1982.

                                   RHEDAM. (mzgcar@gmail.com)